[Resenha] O Corvo

16 de maio de 2019

Título: O Corvo
Autor: Edgar Allan Poe | Organização, posfácios e tradução dos ensaios Paulo Henriques Britto
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 200
Ano: 2019
Adicione ao Skoob
*Cortesia da editora
Sinopse: O poema mais assustador da literatura ocidental e suas traduções.
“A morte de uma mulher bela é, sem sombra de dúvida, o tema mais poético do mundo.” Assim Edgar Allan Poe justificaria a gênese de “O corvo”, poema publicado sob pseudônimo originalmente em 1845. Mas o que faz com que esses versos hipnotizantes sobre perda e desejo, escritos de modo tão calculado pelo mestre do terror há quase dois séculos, tenham merecido tantos elogios e tamanha controvérsia?
Nesta edição, o leitor vai conhecer as traduções mais notáveis de “O corvo” para a nossa língua ― as de Fernando Pessoa e Machado de Assis ―, analisadas pelo poeta, tradutor e professor Paulo Henriques Britto, que também traduz três textos fundamentais de Poe sobre poesia (“A filosofia da composição”, “A razão do verso” e “O princípio poético”) e examina a faceta ensaística do escritor.
Resenha
O estudante ouve novas batidas à janela e ao abri-la tem uma surpresa, adentra ao seu quarto um corvo negro de aspecto antigo e pousa no alto da porta. O jovem se apavora quando começa a conversar com o corvo e ao perguntar seu nome à ave ela responde chamar-se “Nunca mais”.
“Pasmei de ouvir este raro pássaro falar tão claro, / Inda que pouco sentido tivessem palavras tais. / Mas deve ser concedido que ninguém terá havido / Que uma ave tenha tido pousada nos seus umbrais, / Ave ou bicho sobre o busto que há por sobre seus umbrais, / Com o nome ‘Nunca mais’.” (Tradução de Fernando Pessoa)
Movido pelo medo e pelo nervosismo por ter um animal falando consigo e ainda mais com palavras tão sinistras o estudante começa a fazer questionamentos, ora ao corvo ora a si mesmo, e as respostas dadas são sempre “Nunca mais”.  O poema é extenso, mas não ao ponto de se tornar uma leitura cansativa, em um de seus ensaios (A Filosofia da Composição) Poe conta que essa foi a sua preocupação inicial ao escrever The Raven e depois, estabelecer o tamanho do poema.
“Levando em conta todas essas considerações, bem como o grau de excitação que considerei não superior ao gosto do público, e ao mesmo tempo não inferior ao da crítica, decidi de imediato qual seria a extensão apropriada ao poema planejado – cerca de 110 versos. O poema terminou tendo 103 versos.”
Neste mesmo ensaio Poe conta como foi o processo de criação do poema, onde revela ter começado pelo final e depois foi criando situações para chegar a ele, sem nunca deixar de se preocupar com a métrica.
Paulo Henriques Britto faz uma análise crítica sobre o poema original e as traduções por Fernando Pessoa e Machado de Assis, pontuando as diferenças entre eles e o texto escrito por Poe. A tradução de Fernando Pessoa se mantém fiel à obra original e com poucas alterações, Fernando Pessoa inclusive aperfeiçoou o texto ao fazer uma correção quanto ao nome da mulher amada pelo estudante. Já a tradução de Machado de Assis é completamente diferente e nem parece se tratar do mesmo poema.

O professor Paulo Henriques Britto também analisa detalhadamente a estrutura do poema e mostra como o uso de algumas palavras foi necessário para manter a métrica, tornando o texto tecnicamente perfeito e ao mesmo tempo previsível, a repetição de fonemas o deixa com um ritmo mecânico, são rimas já esperadas. No entanto, mesmo com esse excesso (completamente justificável) a qualidade da obra é inquestionável.
Minha impressão
Eu já tive contato com as obras de Poe, mas ainda não havia lido O Corvo e quando recebi esta edição encantadora da editora eu me animei bastante para a leitura. A edição traz o poema original e duas traduções, uma por Fernando Pessoa e a outra por Machado de Assis. Além do poema, o livro conta com a análise técnica do professor e poeta Paulo Henriques Britto sobre o poema e os ensaios de Poe. 

Em um primeiro momento, tive dificuldade de compreender o poema com a tradução de Fernando Pessoa devido às palavras utilizadas, com a tradução de Machado de Assis eu pude entender melhor, porém, Fernando Pessoa se manteve fiel ao texto original, com todas as rimas e pouquíssimas alterações. Depois de ler a análise do professor, voltei e reli as duas traduções do poema, da segunda vez gostei muito mais da tradução de Fernando Pessoa, a tradução de Machado de Assis peca na estrutura. 

Os ensaios de Poe explicam muito sobre a criação do poema, suas inspirações, questões semânticas, a preocupação com o leitor e com a crítica e mostram os pensamentos dele sobre poesia e versificação. São textos de muita qualidade. 

Essa é uma edição muito caprichada, em capa dura e com lindas ilustrações. O trabalho de Paulo Henriques Britto é admirável e seus textos analíticos são excelentes. 

Minha nota para o livro

8 comentários:

  1. Tudo bem? Eu também li esse livro recentemente, e gostei mais do primeiro ensaio do livro, pois ali eu pude perceber de fato coisas que eu não sabia sobre a concepção da obra, vindas do próprio Poe. Bom, a Editora fez um trabalho incrível com esta obra que certamente faz jus a um dos poemas mais conhecidos de Poe!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem? Não tenho interesse no autor nem no livro, são temáticas que não passam perto do meu interesse mesmo. Mas achei legal a ideia de pegarem um único poema dele e fazerem toda uma explicação e tal. Acho que pra quem é fã deve ser bem especial mesmo.

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Sinceramente nunca me interessei pelos livros desse autor, toda vez que leio a resenha de suas obras percebo que o enredo não me atraí. Por isso nem tenho muito o que dizer, simplesmente não faz meu estilo de leitura. No entanto para quem curti, com certeza deveriam dar uma chance, pois os poemas apesar de traduzidos, ora de forma fiel e com poucas alterações, e ora totalmente novo para que o leitor conseguisse compreender o que era descrito me pareceu bastante positivo.

    ResponderExcluir
  4. Oii, tudo bem?

    Ainda não conhecia a obra, mas já estou bem interessada. Adoraria ler o poema original e as duas traduções para poder compará-las e tirar conclusões. Gostei de saber que a edição também conta com uma análise técnica do professor e poeta Paulo Henriques Britto.
    Adorei a resenha!!

    Beijinhos!!

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem? Concordo com você essa edição está simplesmente incrível. Não conheço a escrita do autor mas já vi muitos elogios. Esse em especial é um dos mais comentados. Fiquei curiosa em ler. Beijos, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  6. Que capa maravilhosa, meu deus! hahaha
    Eu sou bem chata para leitura de poemas, principalmente quando são longos... Porém, me interessei bastante por sua resenha. É diferente a construção dessa obra, por que ela pensa num determinado texto, além de duas traduções (e por escritores incríveis). Realmente é cativante! <3
    www.palavrasambulantes.com

    ResponderExcluir
  7. Eu nunca li nada do Poe, acredita? Mas quero muito! Gostei de saber sobre a edição e tradução, é importante saber antes, pra não pensar que não é uma leitura que não é pra mim... kkkk Adorei essa capa

    ResponderExcluir
  8. Olá,
    Já li algumas coisinhas do Poe mas este ainda não. Na verdade sempre tenho receio por ser um poema, acabo ficando perdida e deixando passar. Mas a edição parece estar muito linda!

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir