[Resenha] A Impossível Faca da Memória

13 de maio de 2019

Título: A Impossível Faca da Memória
Autor: Laurie Halse Anderson
Editora: Valentina
Páginas: 352
Ano: 2019
Adicione ao Skoob
*Cortesia da editora
Sinopse: A adolescente Hayley Kincain e o pai, Andy, passaram cinco anos viajando de caminhão, fugindo das lembranças que os assombram. Agora, estão de volta à cidade natal de Andy para tentar levar uma vida “normal”, mas os horrores que ele testemunhou na guerra ameaçam destruir a existência de pai e filha. De mãos e pés atados, Hayley é obrigada a vê-lo ser lentamente derrotado pela depressão, e se entregar às drogas e à bebida para calar os demônios interiores. É então que seu próprio passado vem à tona, e o presente se estilhaça... anunciando um futuro totalmente incerto.
O que você deve fazer para proteger a vida de seu pai quando a morte o está rondando? Que atitude tomar quando os papéis de pai e filha se invertem? E o que acontece quando aquele garoto encantador e divertido entra no seu mundo sem pedir licença e, pela primeira vez, você se vê pensando no futuro?
Atual, surpreendente, irresistível, A impossível faca da memória é Laurie Halse Anderson no seu auge.
Resenha
“(...) todo mundo nasce esquisito.
Isso te espantou, não foi? É porque eles têm sugado o seu cérebro. O veneno deles faz com que você pense que os esquisitos são maus. Perigosos. Perturbados. Mais uma vez, não dê ouvidos a eles. Fuja.”
Hayley e o pai têm lembranças das quais tentam fugir, fazem o que podem para esquecer o passado, mas o que fazer quando os fantasmas deixados para trás querem vir à tona? Andy (o pai) não está nada bem, sua saúde física e mental vai de mal a pior e a única coisa que ainda o mantém firme é sua filha, mas por quanto tempo? Hayley está enfrentando uma situação que se agrava cada vez mais e não sabe a quem recorrer, não sabe o que fazer, a única coisa que ela sabe é que precisa do seu pai.

Os dois passaram cinco anos viajando pelas estradas, Andy simplesmente pegou o caminhão e arrastou a filha com ele, Hayley adorava e não via o menor problema em continuar dessa maneira. Mas o pai decidiu voltar para a cidade, estabelecer uma vida relativamente normal e agora ela é obrigada a frequentar a escola e a conviver com outros alunos. Mas Hayley não se encaixa e ela tem problemas demais em casa para se preocupar com as questões do colégio.
A guerra traz consequências desastrosas para aqueles que estiveram nela, Andy esteve e todos os horrores que presenciou o assolam constantemente. Cada lembrança é como uma faca afiada, corta sem dó, rasga fundo e reabre as feridas que nunca cicatrizam, jamais cicatrizarão, apenas se fecham por um curto período enquanto ele tenta esquecer.  Seus dias se tornam escuros, tenebrosos. Suas noites trazem pesadelos tão reais que se misturam à realidade.

Andy está em um estágio avançado de depressão e recorre  às bebidas e drogas para fugir daquilo que o assombra, o vício misturado ao seu psicológico já abalado o destrói mais e Hayley tem de ver tudo isso sem ter ideia do que fazer. Ela mesma luta contra seus próprios fantasmas do passado, Hayley tem que cuidar de si e de seu pai, precisa ser forte pelos dois, ainda tão nova e com tantas responsabilidades. Ela cuida do pai mesmo nos momentos mais difíceis, mas ainda assim, Hayley é só uma adolescente e o pai precisa é de cuidados médicos com urgência.
Hayley pouco se recorda da vida antes da estrada, sua memória tem algumas lacunas que começaram a ser preenchidas e ela não gosta das cenas que se formam e do que está se lembrando. No passado, havia a Trish, a madrasta, a vilã. Hayley perdeu a mãe cedo e Trish usurpava seu lugar. E então começou a se afundar em bebidas e Andy foi piorando. Hayley tem certeza que as coisas ficaram melhores sem ela. Mas agora Trish aparece novamente e seu mundo cheio de fissuras pode ruir de vez.

Hayley não sabe como Trish os encontrou ou por que ela está de volta, mas percebe que o quadro psicológico de seu pai despencou, não pode ser só coincidência. Além de ter de lidar com a depressão ela ainda tem de suportar a presença dessa mulher e as coisas em casa não ficam bem. Tem um motivo para que Trish tenha voltado e quando Hayley descobrir vai preencher o vazio na sua memória.
Minha impressão
A Impossível Faca da Memória é uma obra que aborda a depressão através de uma linguagem simples e uma trama envolvente. Junto com Hayley nós acompanhamos o pai dela caminhar para cada vez mais perto de um abismo e o salto parece inevitável, ela tenta ajudar, mas Hayley também precisa de ajuda. Ela é apenas uma adolescente e precisa encontrar uma maneira de cuidar do pai e de si mesma.

Há dias em que as coisas estão muito piores, em outros dias nem tanto. Nos raros momentos em que é possível fingir que está tudo bem ela procura fazer o pai enxergar que precisa de ajuda médica, de um emprego, de estabilidade, que deveria ser ele a cuidar dela e não o contrário. Nos momentos mais difíceis ela quer largar tudo, mas não pode. E em todos os momentos ela só quer esquecer! O passado é tão ruim e doloroso que a alternativa é fazer de tudo para não se lembrar. E Hayley estava conseguindo.

O retorno da madrasta traz consequências com as quais Hayley ainda não consegue lidar, então ela age da maneira que sabe e não analisa a situação com um todo, não deixa que Trish explique o que aconteceu anos antes quando foi embora e tampouco permite que ela esclareça por que voltou. Mas a reação de Hayley é natural, acho que qualquer adolescente faria o mesmo se tivesse passado por tudo o que ela passou.

Eu gostei bastante da leitura e fiquei curiosa para ler outros livros da autora.

Minha nota para o livro

10 comentários:

  1. Oiii Bea

    Os livros dessa autora sempre abordam algum tema relevante e atual, vi um que era sobre anorexia acho e esse fala da depressão, acho interessante e é bacana que ela consiga mostrar tudo de forma leve. Não é um livro que esteja na minha lista pra ler imediatamente mas, gostaria de conferir algum dia.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  2. Caraca mana, fiquei impactada com a resenha, sério.
    Não sei se conseguiria ler esse livro por motivos pessoais com o meu pai sabe, mas achei bem legal a questão de que ela trata isso de uma forma mais leve, pois imagino que esse tema seja dolorido pra bastante gente.
    Não conhecia o livro nem a autora, mas já adicionei na minha wishlist e vou ficar de olho pra comprar ele quando der. Valeu pela dica! <3

    ResponderExcluir
  3. Parece ter sido uma leitura enriquecedora. Acredito que me sentiria incomodada, pois é um tema forte. Mas uma leitura necessária. Adorei sua resenha, quando o livro no seu insta já me interessei. <3

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  4. Olá

    Na adolescência estamos numa fase bem complexa para nossa mente e para nosso corpo. É um misto de emoções da qual desconhecemos, o medo de não nos aceitamos e os hormônios que modificam nosso humor com facilidade e mais um pai na beira de um colapso nervoso, já percebemos que a personagem sofrerá imensamente e isso me deixa bem triste.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Que resenha forte, pungente...
    Então, eu não conhecia a história do livro, embora já tenha visto a capa dele "por aí". Eu gosto muito de literatura que abordam problemas e/ou transtornos psicológicos e o que isso tudo faz com a vida da pessoa e daqueles que os cercam.
    Fiquei curiosa. Ótima dica. E um 4 estrelas está de bom tamanho pra mim.

    Beijocas
    www.coisasdemineira.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Veatriz, me interesso bastante por livros que abordem a depressão e problemas familiares, então estou bem curiosa para ler esse livro, fora que a autora é sempre super elogiada.

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem? A autora só faz livros com temáticas relevantes, pois se não me engano Fale é dela né?! Já tinha ouvido falar do livro e ficado interessada, depois da sua resenha fiquei mais ainda. Darei chances para o mesmo, por isso dica anotada! Ótima resenha!
    Beijos,
    https://diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oi, tudo bem?
    Eu ainda não conhecia esse livro, porque não acompanho muito os livros da Valentina. Porém, fiquei bastante curiosa para ler esse. O tema abordado é muito importante e me pareceu que foi abordado de uma maneira clara, mas delicada. Adorei conhecer sua opinião sobre o livro e vou anotar a dica.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. pela sua opinião tive uma visão um pouco dual sobre a obra, não sei dizer se leria ou não, me soou confuso e conflituoso, o que se pode esperar ao falar de adolescentes, mas tem ai no meio a depressão, eu fiquei curiosa mas realmente não sei se leria, mas gostei da sua sinceridade na resenha.

    ResponderExcluir