12 de março de 2016

[Resenha] Metamorfose da Vida

Título: Metamorfose da Vida
Autora: Marcia de Assis
Editora: Baraúna
Páginas: 268
Ano: 2014
Skoob: Adicione



Vida morava em um vilarejo isolado do mundo e com costumes primitivos. Após a morte de seus pais, tudo ao seu redor mudou. A jovem descobre ser adotada, que sua mãe era uma bruxa e que seu pai é antropólogo que viajou para o Brasil  com a finalidade de estudar uma aldeia de índios. Uma trama carregada de mistérios, com toques de fantasia e muita magia.
Old Valley é um vilarejo isolado do mundo, sem eletricidade, encanamento de água ou internet. Os costumes eram dos mais primitivos e seus habitantes haviam preferido viver assim, quiseram se afastar de tudo e viviam em paz e harmonia, não havia dinheiro e a moeda de troca eram favores prestados entre eles.

Vida morava com seus pais, certa noite ela teve um sonho premonitório onde seus pais morriam e lhes contou, eles não acreditaram e minutos depois, dois forasteiros os assassinaram. Vida ficou sozinha e desolada. De repente, surgiu uma mulher pedindo que a acompanhasse pois era sua tia e tinha coisas para lhe contar. Essa mulher se chama Brianna e levou a jovem para sua casa, onde ela teve contato pela primeira vez com o mundo moderno.
Desconfiada, Vida estranhou tudo, admirou-se com a televisão, com fogão elétrico, geladeira, descarga, chuveiro e ainda mais com água quente, tudo era novidade para ela. A casa de Brianna tem um aspecto sinistro e o que mais chamou atenção de Vida foi um tipo de altar com uma caveira cheia de inscrições, velas e incensos. Brianna, então, diz que Vida é adotada e lhe conta sua verdadeira história.  Sua verdadeira mãe chamava-se Bonnibelle e morreu em um acidente de carro após tentar fugir de quatro entidades que a atormentavam. Brianna revela que eram bruxas muito poderosas mas que a mãe descumpriu um pacto com as entidades e por isso era perseguida.

O pai de Vida mudou-se para o Brasil para estudar uma aldeia de índios, ele tinha planos de levar Vida e a mãe para morarem no Rio de Janeiro com ele, mas a morte de Bonnibelle acabou com seus planos e ele nem mesmo soube do ocorrido. Quando a irmã morreu, Brianna entregou Vida para um casal e não entrou em contato com o pai da menina. Anos se passaram, agora Vida estava desamparada e a tia foi buscá-la para lhe ajudar.
Vida decidiu que encontraria seu pais, resolveu estudar antropologia e na faculdade conhece pessoas que lhe ajudarão em sua jornada. Seu vizinho chamado José Augusto (um português que a ensina a falar o idioma), um colega de classe chamado Blake e o professor chamado Lazarus. No decorrer da história ela descobre que Lazarus é amigo de seu pai e viajou para o Brasil com ele. Lazarus lhe conta o que aconteceu com seu pai para que ele ficasse na aldeia. Eles encontraram os índios Inamawás e decidiram estudá-los pois eles tinham o poder de ficar invisíveis. Após alguns acontecimentos, Lazarus retorna para a Escócia e Gordon (pai de Vida) fica na aldeia.

Decididos, eles embarcam em uma viagem perigosa para o Brasil. Ao chegarem na aldeia o que eles encontram é uma situação nada boa. O pai de vida está cego e muito debilitado, a região corre um grande perigo devido a ação ilegal de madeireiros e todos estão assustados. O grupo decide ajudar e vão ter a ajuda de Amana (meia irmã índia de Vida). O que eles enfrentaram é algo maior do que poderiam imaginar e a missão de cada um está apensas começando.
Minha impressão
Quando comecei a ler eu fiquei assustada com as primeiras páginas desse livro. A primeira parte, quando Vida está descobrindo a sua história, é meio perturbadora e assustadora. Fala de muita magia, feitiços e bruxaria, com cenas macabras e terríveis. Eu não gosto de livros de terror, mas consegui ler o relato da Brianna sentindo curiosidade para saber o que tinha acontecido. 

Depois a história caminha para um novo rumo e sempre com um toque fantasia e magia. Quando os personagens viajam para o Brasil o enredo fica rico em cultura indígena, a autora descreve com detalhes os costumes das aldeias. A lenda criada sobre os índios inamawás é muito completa e muito bem construída de modo que eu não sei dizer se a autora se baseou em alguma lenda ou aldeia real. 

Quando é inserido na trama a madeireira ilegal, percebi um alerta através da história. Esse tipo de atividade infelizmente existe e tem uma grande força, prejudicando nossa natureza. Gostei muito de ver que a autora abordou esse tema e maneira e como o enredo foi se desenvolvendo. 

Conforme o final se aproximava eu fui ficando receosa pois ainda tinham algumas questões para serem resolvidas e ao chegar no fim da história, um grande mistério relacionado ao passado de Vida ainda está aberto e a autora deixa um ar de que o livro terá continuação e eu espero que tenha mesmo pois quero saber o que a tia... ops! deixa pra lá, quem ler vai entender e desejar a continuação também. 

Minha nota para o livro 

Nenhum comentário:

Postar um comentário