[Resenha] Os Robôs da Alvorada

18 de outubro de 2019

Título: Os Robôs da Alvorada (Livro #3)
Autor: Isaac Asimov
Editora: Aleph
Páginas: 544
Ano: 2015
Adicione ao Skoob
*Acervo pessoal
Sinopse: Dois anos após desvendar um assassinato em Solaria, o detetive Elijah Baley é novamente convocado para uma investigação em um Mundo Exterior. Com ajuda de seu parceiro e amigo R. Daneel Olivaw, Baley terá de solucionar um crime bastante peculiar: um caso de roboticídio que coloca em xeque a reputação de um importante estudioso naquele planeta. No terceiro volume da consagrada Série dos Robôs, em meio à mais evoluída colônia humana fora da Terra, Baley está prestes a enfrentar conflitos ainda mais complexos, que envolvem a segurança de Elijah Baley, interesses interplanetários e o destino da própria humanidade.
Resenha
  1. Um robô não pode ferir um ser humano ou, por inação, permitir que um ser humano venha a ser ferido.
  2. Um robô deve obedecer às ordens dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens entrem em conflito com a Primeira Lei.
  3. Um robô deve proteger sua própria existência, desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira ou com a Segunda Lei.
“As leis humanas são muito mais complicadas do que as Leis da Robótica, e eu não faço ideia de como elas podem ser organizadas. “
O detetive Elijah Baley é convocado para conduzir uma investigação em Aurora, um planeta altamente desenvolvido no qual robôs e humanos vivem em perfeita harmonia, em Aurora não há distinção entre eles e é crime qualquer ato que possa destruir ou danificar as máquinas, são tidas como seres vivos. E é justamente nesse planeta que aconteceu um crime sem precedentes, um roboticídio.

Elijah tem certa reputação nos Mundos Exteriores e é chamado para solucionar o caso, Elijah estava mesmo precisando do apoio de Aurora junto aos Siderais para que a Terra pudesse obter autorização para colonizar outros planetas e, assim, enviar naves ao espaço. No entanto, a situação da Terra pode se complicar ainda mais caso o detetive não chegue a um resultado satisfatório em sua investigação.
O dr. Han Fastolfe é um dos maiores roboticistas de todos os mundos e uma importante figura política, no assunto robôs humaniformes ele é referência e o único que possui a chave para criá-los, não tendo dividido o seu conhecimento com os demais cientistas. Fastolfe criou apenas dois robôs humaniformes, Daneel que já um conhecido de longa data do detetive e Jander, o robô que foi assassinado.

A destruição de Jander não foi mero acaso e para quem alguém pudesse conseguir realizar o bloqueio em seu cérebro seria necessário anos de prática e ainda assim não conseguiria chegar ao bloqueio que destruiu Jander, o cérebro de um robô humaniforme é tão complexo quanto o cérebro humano e Fastolfe é a única pessoa que seria capaz de confundi-lo ao ponto de seu cérebro ser danificado e destruído, mas o doutor afirma não ser o responsável pelo roboticídio ao mesmo tempo em que afirma que não há nenhum outro cientista com competência para isso.
Como provar a inocência de Fastolfe se não há ninguém mais com conhecimento suficiente para matar Jander? Elijah precisa investigar qualquer pista, por menor que seja, e descobrir quem está por trás do roboticídio. Tudo o leva a acreditar que a comunidade científica está tentando incriminar Fastolfe por ele não compartilhar seus conhecimentos, no entanto, como os cientistas seriam capazes de causar o dano irreparável em Jander se eles não entendem a complexidade do cérebro de um robô humaniforme?  Será que Fastolfe, para não ferir a sua reputação, esconde que há outro cientista que possa superá-lo?

Conforme avança na investigação, Elijah descobre como era o cotidiano de Jander e se surpreende com os fins para os quais ele era usado e com os segredos que cercam os suspeitos pela sua morte. Todos têm algo a esconder e a destruição de Jander poderia trazer benefícios a muita gente. É um caso complicado, mas Elijah precisa solucioná-lo, pelo bem da Terra.
Minha impressão
Embora eu goste muito de livros com essa temática, eu ainda não havia tido nenhum contato com a escrita de Isaac Asimov e fiquei completamente fascinada com a leitura de Os Robôs da Alvorada, mesmo não tendo lido os volumes anteriores eu não tive dificuldade em ler este. Sim, a experiência teria sido melhor se eu já conhecesse os personagens e entendesse o que veio antes, mas a trama de Os Robôs da Alvorada é desenvolvida apenas no próprio livro, claro que há uma ou outra referência aos livros anteriores, mas a investigação toda se passa nesse livro.

Bom, no começo da leitura eu tive um pouco de dificuldade porque achei bem lento e imaginei que era por não ter lido os dois anteriores, mas não, percebei que o ritmo do livro é esse mesmo e acabei me acostumando a ele. E quando digo lento não estou em momento algum dizendo chato, pelo contrário, a premissa é instigante e o tempo todo eu estive curiosa para descobrir quem foi o responsável pelo roboticídio. É uma trama genial!

O detetive Elijah Baley pegou um caso difícil de ser solucionado, mas pelo bem da Terra não pode fracassar. Quem quer que tenha assassinado o robô humaniforme Jander não deixou rastros e o único com conhecimento suficiente para cometer o roboticídio é o dr. Han Fastolfe, que afirma não tê-lo feito e deixa claro que além dele ninguém mais seria capaz. Elijah precisa inocentar Fastolfe, mas isso parece cada vez mais difícil.

A minha vontade é de comentar sobre cada detalhe dessa trama, sobre a hostilidade de Aurora, os costumes solarianos, a mudança comportamental de Gladia, sobre como o sexo e a família são vistos em Aurora, o passado de Fastolfe, como os robôs são tratados em outros planetas, as diferenças entre robôs comuns e robôs humaniformes... mas a resenha ficaria ainda maior do que já está, então só me resta recomendar a leitura deste livro!

Minha nota para o livro

12 comentários:

  1. Oi, Beatriz como vai? Esse livro é maravilhoso, e a escrita do Asimov é excelente. Ótima resenha.

    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Como já li algo do autor entendo a questão de ritmo de leitura que você mencionou. Creio que como há muita descrição tudo pode ficar mais lento, porém tentando montar tudo visualmente deixa a leitura mais prazerosa!

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Eu não gosto muito desse gênero, acho que ainda não achei o livro que irá conquistar o meu coração, mas quem sabe.
    Anotei aqui mesmo assim, vai que seja esse autor né haha

    ResponderExcluir
  4. Olá!

    Eu não nenhum livro do autor Ainda, mas assim como você, eu tenho muita curiosidade em conhecer a sua escrita.
    Achei muito interessante essa trama de investigações em um mundo de robôs, um enredo completamente diferente. O bom é que você não se sentiu perdida, mesmo não tendo lido os volumes anteriores.
    Adorei a dica!

    ResponderExcluir
  5. Olá! Simplesmente adorei a premissa, apesar de nunca ter lido nada sobre robôs. Achei bem legal o enredo que envolve mistério e a investigação para solucionar o crime. Ainda não conheço o autor, mas fiquei curiosa por ler algo dele. Beijos! Karla Samira

    ResponderExcluir
  6. Olá..
    Adorei a sua resenha!
    Ainda não conhecia a obra em questão, mas pelos seus comentários pude perceber que com certeza é um livro que me agradaria. A premissa é bem legal e, é claro, já anotei a sua dica!
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi Beatriz.
    Eu confesso que não sou muito fã de livros nessa temática, mas sempre tive bastante curiosidade em ler os do Isaac. Gostei do enredo investigativo, pois isso sempre chama a minha atenção, e me faz ficar envolvido com a história. Quando ler espero realmente gostar.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Boa noite
    A escrita de Asimov é incrível, o cara pensava muito à frente de seu tempo e consegue retratar tecnologias como se escrevesse hoje em dia, já li "eu, robô" e foi uma experiência impressionante pra um livro escrito na década de 40, dica anotadíssima.

    ResponderExcluir
  9. Olá Beatriz,
    parece ser um universo e tanto. Faz pouco tempo que comecei a me apaixonar por fantasias e a cada novo mundo cheio de particularidades que conheço mais me apaixono. Ainda não li nenhuma história que contenha robôs e pra ser sincera nenhuma outra havia me interessado de fato. Sua resenha me faz crer que esta é uma boa candidata a mudar isso.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Olá Beatriz!!!
    que história em??
    Não conhecia o autor e nunca tinha visto nada do gênero, entendo quando uma história é tão boa temos que nos segurar para não entregar muito da mesma.
    O universo do livro parece que dava para enredo para mais coisas e acho que se o autor quisesse podia fazer algo com esse mundo todo.
    Parabéns pela resenha!!!

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Oi Beatriz,
    Ficção Científica não é muito a minha praia. Adoro ver filmes de ficção, mas nunca li muita coisa do gênero. Os livros do Asimov são clássicos do gênero e tenho medo de achar os livros muito lento e chato. Só lendo para descobrir isso, mas com tantos livros que tenho vontade de ler, os livros desse gênero acabam sendo postergados. Se não estou enganado a Aleph está relançando os livros do Asimov com uma nova capa. Não sei se esse título está nos planos da editora para ser relançado.
    Com amor, André
    Garotos Perdidos

    ResponderExcluir
  12. Oi, Beatriz! Ano passado tive meu primeiro contato com ficção científica e confesso que gostei bastante da experiência. A sua resenha me deixou bastante curiosa e com muita vontade de saber mais sobre a história. Irei adicioná-lo a minha listinha de desejados e espero poder lê-lo em breve. Beijo!

    www.livroapaixonado.com.br

    ResponderExcluir