[Resenha] O Tempo Desconjuntado

10 de setembro de 2018

Título: O Tempo Desconjuntado
Autor: Philip K. Dick
Editora: Suma
Páginas: 272
Ano: 2018
Adicione ao Skoob
*Cortesia da editora
Sinopse:Um romance impressionante de um dos maiores nomes da ficção científica. Philip K. Dick faz o leitor duvidar do real e se perguntar a todo momento até que ponto a paranoia é justificada. Com edição especial em capa dura e projeto gráfico arrojado, uma obra inédita de Philip K. Dick chega ao Brasil, trazendo um retrato único da construção do medo, da desconfiança e da própria realidade. Ragle Gumm tem um trabalho bastante peculiar: ele sempre acerta a resposta para um concurso diário do jornal local. E quando ele não está consultando seus gráficos e tabelas para o trabalho, ele aproveita a vida tranquila em uma pequena cidade americana em 1959. Pelo menos, é isso que ele acha. Mas coisas estranhas começam a acontecer. Primeiro, Ragle encontra uma lista telefônica e todos os números parecem ter sido desconectados. Depois, uma revista sobre famosos traz na capa uma mulher belíssima que ele nunca tinha visto antes, Marilyn Monroe. E para piorar, objetos do dia a dia começam a desaparecer e são substituídos por pedaços de papel com palavras escritas, como “vaso de flores” e “barraca de refrigerante”. A única alternativa que Ragle encontra para descobrir o que está acontecendo é fugir da cidade e de todos esses acontecimentos bizarros, contudo, nem a fuga nem a descoberta serão tão fáceis quanto ele imaginava. “Maravilhoso, terrivelmente divertido, ainda mais se você já considerou a possibilidade do mundo ser um universo fictício construído somente para impedir que você descubra quem realmente é. Uma possibilidade bastante plausível, claro.” — Rolling Stone
Resenha
O ano é 1959 e Ragle Gumm vive na casa de sua irmã, com o cunhado e o sobrinho e eles moram em uma cidade pequena e pacata, com vizinhos inconvenientes e sem muita coisa para se fazer. Ele é um ex-militar e atualmente passa boa parte dos seus dias tentando encontrar a resposta certa para um concurso do jornal local. Descobrir onde vai aparecer o homenzinho verde requer muito trabalho e Ragle passa horas analisando todas as informações que reúne. Ele sempre acerta as respostas!

Ragle é uma celebridade, todo mundo conhece o homem que está sempre em primeiro lugar no concurso, várias revistas e jornais já publicaram matérias a respeito dele. O jornal lhe paga uma quantia considerável pelas respostas e assim ele consegue contribuir financeiramente na casa da irmã além de ter uma boa reserva. Tudo ia muito bem até ele se deparar com uma série de fatos estranhos, Ragle não sabe mais o que é a realidade e fica confuso sobre as coisas. 
Os questionamentos acerca da realidade surgiram quando objetos começaram a desaparecer bem diante de seus olhos e no lugar deles aparecia pedaços de papel com os seus nomes escritos. Isso mexe bastante com Ragle e ele prefere não contar a ninguém, está perturbado o suficiente e não precisa de ninguém lhe dizendo que está maluco. Mas as coisas começam a piorar, seu sobrinho encontra uma lista telefônica e uma revista, aparentemente não era nada demais, porém, ao investigar os objetos, a família descobre divergências.
"O que é uma palavra? Um significado arbitrário. Mas vivemos nas palavras. Nossa realidade é entre palavras, não entre coisas. Nada existe como uma 'coisa', de qualquer maneira. É uma estrutura da mente. A coisidade... um senso de substância. Uma ilusão. A palavra é mais real do que o objeto que ela representa.
A palavra não representa a realidade. A palavra é a realidade."
Para começar, a lista telefônica é completamente diferente e ao ligar para os números a ligação não é completada, depois de muita insistência uma telefonista diz que os números estão desconectados. Depois, olhando melhor a revista eles percebem que ela contém notícias desconhecidas e traz o nome de uma mulher muito famosa que eles nunca tinham ouvido falar. Mas é quando Vic, cunhado de Ragle, passa por uma situação inusitada é que ele começa a pensar que possa haver algo de errado com o tempo... ou com todos ao seu redor, como se ele estivesse no centro de uma conspiração, só não entendia exatamente o motivo.
"De algum modo, por algum motivo, Ragle se percebeu transpondo a barreira do real. Alargando um buraco. Ou então tinha visto esse alargamento, talvez uma fenda se abrindo, um rasgo."
Ragle fica cada vez mais incomodado, precisa descobrir o que está acontecendo. Tudo ao seu redor parece conspirar para fazê-lo acreditar naquela realidade de 1959, com aquelas pessoas e aqueles objetos, mas sua intuição diz que tem algo mais. Ele decide que vai fugir da cidade para ver o que tem além de seus limites, e quando coloca seu plano de fuga em prática Ragle entende que "eles" (quem quer que sejam eles) não vão permitir. Por que sair da cidade é proibido para Ragle? O que tem do lado de fora que ele não pode ver?

Enquanto Ragle enfrenta suas dúvidas e tenta arquitetar novos planos para conseguir fugir, vemos que o seu vizinho mostra muito interesse na vida de Ragle e em sua rotina. Bill Black (o vizinho) claramente sabe de alguma coisa, seria o homem por trás da conspiração? ou tudo não passa de alucinações de Ragle e elas estão fazendo-o viver em uma realidade alternativa? Ragle está confuso, mas vai seguir seus instintos para encontrar a verdade. E quando encontrar, precisará decidir de qual lado vai ficar.
Minha impressão
Esse é o meu primeiro contato com a escrita do autor e eu gostei bastante, Philip K. Dick construiu um enredo muito bem elaborado, com cenas que prendem a nossa atenção e diálogos cheios de mensagens filosóficas. A trama explora os limites da realidade e me lembrou muito o Mundo das Ideias (Platão).

O personagem se questiona sobre estar vivendo algo real ou não, quando os objetos começam a sumir e em seus lugares aparecem pedaços de papel com seus nomes escritos a incerteza de Ragle fica muito clara. Ele percebe que há algo errado, o tempo, as pessoas, os objetos... tudo está "estranho", ele só não entende os motivos, nem mesmo sabe se é a sua mente lhe pregando peças.

O final ficou com algumas brechas e senti falta de mais explicações, acho que o autor poderia ter inserido um pouco mais de informações, talvez um epílogo. O livro acaba do nada, até tem um certo desfecho, mas fica a sensação de que deveria ter algo mais para fazer sentido. Tem toda uma nova estrutura para um segundo volume, o final abre possibilidades para contar sobre as descobertas de Ragle e como tudo ficaria. Ele escolheu um lado e eu realmente gostaria de ver como vai terminar. Só que acaba por aí mesmo, não tem continuação. Isso é um pouco frustante, mas não tira a qualidade da obra! É uma ótima leitura.

Eu também acho que Bill Black poderia ter sido mais explorado, há alguns capítulos onde vemos sobre ele, porém Bill é um personagem secundário que precisava de mais atenção, sua visão dos fatos poderia fazer diferença para a narração, ele poderia acrescentar à trama informações das quais eu senti falta no final.

O Tempo Desconjuntado é um livro que vai fazer você se envolver com o personagem e criar teorias sobre o que está acontecendo com Ragle, você vai se questionar se ele está louco ou se tem mesmo uma conspiração, e também vai ficar um pouco confuso, afinal, mexer com a realidade confunde mesmo.

Minha nota para o livro

18 comentários:

  1. Oi Bea. Philip K. Dick, é um dos autores que eu admiro bastante e O Tempo Desconjuntado veio em uma edição belíssima da Editora Suma de Letras, que me apaixonei de cara.

    Ele é considerado um dos maiores escritores de ficção científica, é renomado e conhecido por muitos, porém ainda tenho amigas que sequer ouviu falar seu nome (algo inédito para mim). Ele foi um autor que em vida, teve pouca visibilidade, mas suas obras ganharam força após adaptações para o cinema.

    Essa história é complexa e cheia de metáforas que nos faz pensar e criar nossas próprias teorias. Um livro para lá de incrível e que deu origem à vários filmes do gênero.

    Amo muito. Deu para perceber não é?

    Sobre final ou finais.. O autor, assim como outros que leio do gênero, gostam de deixar certa expectativa e algumas vezes uma abertura para te dá margem para criar sua teoria e desenvolver o seu pensamento crítico sobre o que foi contado no enredo. Ainda assim eu queria muito mais desse enredo.. Mas não diminuiu em nada meu prazer imenso.

    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Não conhecia a obra, mas me deixou bem curiosa para conferir, me parece uma leitura que ia me prender do começo ao fm. Tenho certeza que serei surpreendida.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá,

    Sempre vejo esse livro nos blogs, nunca me interessei a ponto de saber mais sobre a história e como não gosto de ler sinopses, nada sabia sobre o enredo, contudo é algo peculiar, não?! Entendo sua frustação diante desse final, não sou fã de finais abertos, gosto de ver todas as pontas atadas.

    Beijos,
    oculoselivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. eu ja li esse livro e to quase liberando a resenha também
    eu adorei!!
    mas ao contrário de vc, eu achei a história bem completa
    achei que ficou tudo muito bem explicadinho e talvez se pkd não tivesse morrido ele daria uma continuação ao livro, uma pena

    ResponderExcluir
  5. Oiii Bea

    Fiquei curiosa em saber o que está acontecendo com o personagem, será que ficou doido ou não...rsrs
    Pena que faltou o epílogo, ja passei por isso algumas vezes e dá uma frustraçãozinha porque a gente como leitor quer todas as respostas meesmo.
    Esse é um livro que te confesso que ela capa nem leria, não sei porquê mas não me chamava a atenção, mas a premissa é interessante, e a época em que está ambientado tb me encanta, a gente encontra tão pouca história ambientado nos anos 50-60 e eu adoro aquela época.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem? Nunca li nada do autor, aliás não costumo ler livros deste gênero, porém... que livro, ein?! Já conhecia o livro, porém não sabia muito bem do que ele tratava. Achei uma loucura - muito interessante, por sinal - isso de objetos sumirem e o personagem se questionar se o que está vivendo é real ou não. Amei a resenha e fiquei com muita vontade de ler o livro!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  7. Olá Bia, tudo bem? Que capa linda essa edição possui, com cores vivas e vibrantes estou louca para comprar uma edição dele para mim, aliás, não sei qual dos livros do autor devo comprar primeiro.Eu sempre leio resenhas incríveis sobre as suas obras desse autor mas, nunca consegui realizar a leitura de nenhuma delas, porque, nunca sei por onde começar a leitura, fico completamente perdida principalmente, porque ele é considerado um ótimo escritor de ficção cientifica.

    Pela sua resenha achei a história um pouco complexa, com metáforas e teorias da conspiração que eu gostaria muito que fossem respondidas de uma maneira plausivel no livro mas, você disse que isso não acontece e, pelas outras resenhas que li parece que os finais de todos os livros dele ficam sempre em aberto mesmo. Eu senti que esse livro tem semelhanças com Matéria Escura, que eu li e gostei muito mas, precisarei lê-lo novamente..rs.

    Em fim, sua resenha ficou ótima e bem estruturada, gostei muito da maneira como abordou os assunto do livro sem dar spoler da história.

    Beijos e Abraços Vivi
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem? Fiquei um pouco confusa, mas o livro é ficção científica certo?! Minha cabela sempre dá um nó quando pego livros assim hahaha Nunca li nada do autor, mas vi a "roupagem" nova que a editora está dando e é belíssimo! Finais abertos também é algo que não curto muito, na verdade me deixa com raiva, por isso não sei se seria algo que leria no momento. Por conhecer o autor por nome, e saber da sua fama, pretendo futuramente dar uma chance. E sua resenha traz pontos tantos positivos quantos negativos. Adorei!
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Olha, sendo sincera, eu detestei essa capa, rsrs. Desculpa.Mas amei ver que ela é de capa dura, é sempre bom ter livros de capa dura não é?
    Agora sobre a história em si eu confesso que não me chamou muito a atenção, mas pode ser sim que la na frente isso mude não é? Adorei sua resenha, parabéns.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Menina, lendo a resenha eu já estava aqui criando teorias, sem nem conhecer a história completa. Sem dúvidas vou colocar esse livro na minha lista e espero ter a chance de ler logo, pois fiquei realmente curiosa para saber se é tudo imaginação ou mesmo uma conspiração e, seja o que for, como vai terminar.

    ResponderExcluir
  11. Oi Bia, tudo bem?

    Menina... Não conhecia esse livro, sou meio desinformada a respeito desse gênero, falando sinceramente. Porém, achei a sua resenha bem interessante e gostei do livro apesar das brechas que o autor deu. Sendo bem sincera, não sei se o leria, por fugir deste gênero, mas fiquei bem interessada.

    Beijod

    ResponderExcluir
  12. Também nunca li nada do autor e esse livro será minha primeira experiência. Me animei por isso de explorar os limites da realidade, mas confesso que o fato de terminar do nada vai ser muito frustrante pra mim, ainda que agora eu esteja ciente e preparada para isso. Não lido bem com esse tipo de situação.

    ResponderExcluir
  13. Oi, tudo bem?
    Eu já tinha visto a capa desse livro, mas ainda não sabia do que se tratava. Confesso que não parece o tipo de leitura que me agradaria. Achei o enredo um tanto confuso, e saber que o final deixa brechas me desanima mais ainda.
    Infelizmente, acho que não é mesmo para mim. Porém, adorei ler sua resenha e fico feliz que, apesar das ressalvas, você gostou da leitura.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Olá,
    Apesar de ler algumas resenhas positivas sobre o livro, e a edição parecer bem bonita eu tenho a leve impressão que a narrativa é arrastada. Não sei se por conta da filosofia 'pelo meio' ou por autor sempre usar muita coisa.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  15. oi, Beatriz. Cara, eu tô louca pra ler desde que vi o lançamento... adoro o autor, essa premissa me parece ser muito intrigante... adoro tramas bem escritas, e até esse final 'aberto' não me desmotiva a ler, pelo contrário... alguns livros que terminam dessa forma, acabam mexendo demais com a minha imaginação hehehe

    bjs...

    ResponderExcluir
  16. Poxa Beatriz, o livro acabar do nada é irritante para mim, como você bem colocou nada que um prologo não resolvesse. Gostei de saber que pelo menos a trama envolve de alguma forma o leitor fazendo-o criar algumas teorias, acho isso muito interessante.

    Bjo
    Tânia Bueno

    ResponderExcluir
  17. Eu tenho muita facilidade com o gênero nas séries e nos filmes, mas raramente leio ficção científica, pois as que eu tentei tinham uma narrativa mais arrastada ao apresentar o universo. Porém neste livro vi que o autor mostra, de fato, a construção deste cenário na história e vemos aos poucos o que acontece com o personagem, portanto fiquei curiosa pra ler. Espero ter uma oportunidade em breve.

    ResponderExcluir
  18. Oi Bia,
    Apesar de gostar do gênero, não tenho muita vontade de ler os livros desse autor, mas fico contente que, por mais que você tenha tido ressalva com relação a algumas coisas, o livro tenha te agradado. Acho que esse é um dos livros mais curtos dele e, talvez, por isso tenha deixado de explorar alguns personagens.
    Adorei sua sinceridade.
    Beijos

    ResponderExcluir