[Resenha] Um Banquete Para Hitler

24 de maio de 2018

Título: Um Banquete Para Hitler - A Morte Está Servida
Autor: V. S. Alexander
Editora: Gutenberg
Páginas: 304
Ano: 2018
Adicione ao Skoob
*Cortesia da editora


Sinopse: "Eu, Magda Ritter, conheci Hitler.

Eu era uma das quinze mulheres que provavam sua comida, pois o Fürher era obcecado com a possibilidade de ser envenenado pelos Aliados ou por traidores dentro de seu círculo pessoal.

Ninguém, exceto meu marido, sabe o que eu fiz.

Nunca falei sobre isso. Eu não podia falar… Mas os segredos que guardei por tantos anos precisam ser revelados.

Às vezes, a verdade me oprime e me apavora. É como uma queda sem fim em um poço fundo e escuro. Mas, ao escrever minha história, descobri muito sobre mim mesma e sobre a humanidade. E também sobre a crueldade dos homens que fazem leis para se adequarem aos seus próprios interesses.

Eu conheci Hitler… E minha história precisa ser contada.”

Unindo a história e a ficção, Um Banquete Para Hitler mostra os extremos de privilégio e opressão sob a ditadura do Fürher, expondo os dilemas morais da guerra em uma história emocionante, cheia de atos de extraordinária coragem em busca de segurança, liberdade e, finalmente, vingança.

Resenha
Magda Ritter precisou deixar a casa dos pais e ir morar com um tio para fugir dos ataques aéreos dos Aliados. Ela não sabia ao certo o que estava acontecendo no país, o medo era visível em toda a parte e corriam rumores acerca dos judeus, mas até aquele momento ela havia feito vista grossa para a situação, pois o pouco que chegava aos seus ouvidos podia ser apenas boato, embora seu pai acreditasse veementemente na veracidade de cada caso.

Ao chegar à casa do tio Magda foi confrontada pela esposa dele e foi informada de que para viver lá seria preciso trabalhar, mas por não ser associada ao Partido seria difícil conseguir emprego. Para a sua surpresa, após se cadastrar na Liga do Reich ela foi chamada para trabalhar em um cargo secreto e de alta periculosidade: serviria diretamente ao Hitler como uma das provadoras de sua comida.
"Você e outras experimentam a comida do Führer. Seu corpo é oferecido em sacrifício ao Reich no caso de a comida estar envenenada."
"Estremeci. Minha vida pode acabar aqui. Nem mesmo os bombardeios em Berlim tinham me obrigado a enfrentar minha mortalidade de maneira tão brutal. A ideia de que eu poderia morrer por Hitler me atordoou."
A partir de então, Magda passou a conviver diariamente com o perigo, a qualquer momento poderia ser envenenada ao provar a comida. Precisou passar por um intenso treinamento para aprender a identificar qualquer ameça à vida do Führer que pudesse se disfarçar em suas refeições. Eram quatro áreas: Cogumelos, arsênico, mercúrio e cianeto. Magda aprendeu sobre aromas, sabores e seus aspectos, bem como os sintomas que causavam.

O medo de morrer toda vez que provava a comida nunca a abandonou, mas ela havia aprendido a lição e estava mais segura ao analisar a comida antes de ingeri-la e constatar que não havia ameaças. O líder nazista estava convencido de que seria envenenado e por isso tinha ao seu dispor quinze provadoras. No começo Magda era só mais uma delas, mas com o passar do tempo foi ganhando espaço e conquistou a confiança de muitas pessoas em Berghof, até chegar à graça de Hitler.
Magda não nutria bons sentimentos por ele, sua vontade era de matá-lo, mas para se manter a salvo era preciso interpretar seu papel de mulher fiel ao Reich. Hitler, em sua intimidade, não parecia ser o monstruoso líder nazista, aparentava ser uma pessoa bondosa e preocupada com o bem da nação e mostrava-se cordial com seus funcionários.

O Capitão Weber e Magda se tornaram muito próximos, ambos compartilhavam o ódio por Hitler. Weber revelou a Magda sobre planos para matar o tirano, era algo grande e orquestrado por muitas pessoas, mas era preciso que outros líderes nazistas fossem atingidos também, para que nenhum deles assumisse o governo.
"Como todos na Alemanha podiam olhar para o outro lado? Me perguntei se aqueles que viviam nas cidades ou em fazendas nos arredores dos campos conseguiam sentir o cheiro de carne queimada. Será que olhavam para os céus quando os flocos cinza caíam sobre eles? Como podiam não saber o que estava acontecendo e, se o sabiam, por que não se importavam? Onde estavam as pessoas que precisavam se mobilizar com indignação e horror contra o que o nosso governo estava fazendo?"
Décadas se passaram até que Magda Ritter decidisse contar a sua história. Os horrores do passado a seguiram por anos, o pavor constante e os pesadelos a assolavam. Mas ela precisava revelar a sua participação no rumo da História e trazer à tona todos os segredos escondidos em suas memórias.
Minha impressão
Um Banquete Para Hitler é uma obra de ficção inspirada em uma história real. Em 2013, uma mulher alemã chamada Margot Woelk revelou ao mundo que trabalhou como uma das provadoras de Hitler durante a Segunda Guerra Mundial. Manteve segredo ao longo de anos por medo do que poderia lhe acontecer caso a história fosse revelada. Embora o livro possua muitas cenas baseadas no relato de Margot, ele não é uma biografia, tampouco pode ser tido como uma obra histórica, no entanto o conteúdo histórico presente na obra é fruto de muita pesquisa do autor, em nota ele diz: "Fiz a melhor pesquisa que pude para Um banquete para Hitler; contudo, relatos históricos e linhas do tempo variam entre si. O leitor deve saber que fiz o possível para unir a História com a ficção."

Com o livro nós conhecemos Magda Ritter e acompanhamos seu cotidiano como provadora. Enquanto toda a Alemanha sofria com a escassez de alimentos e vivia sob ataques constantes, aqueles que trabalhavam para o Führer desfrutavam dos privilégios oferecidos pelo Reich. Em Berghof o clima era tenso e não se podia confiar em ninguém. A cada prova de comida Magda temia que sua vida pudesse acabar e ela não estava disposta a morrer no lugar de Hitler, pelo contrário, queria ela mesma acabar com a vida dele. 

Os ataques foram se aproximando e a segurança de Hitler estava em cheque, então ele precisou se esconder em um bunker ao lado de pessoas de sua confiança. Após um terrível episódio que lhe custou um preço alto, Magda acabou indo parar lá também e os acontecimentos seguintes respondem às perguntas que nos fazemos durante toda a leitura.

O livro possui uma trama muito bem desenvolvida e a protagonista é uma personagem cativante e que amadurece bastante no decorrer da leitura. Magda vê coisas (e vive situações de intensa crueldade) que mudam o seu comportamento perante aos horrores causados pelo nazismo, cada vez mais ela sente a necessidade de agir. 

Minha nota para o livro

12 comentários:

  1. Oi Bea. Gostei da do enredo e é o tipo de leitura que sempre realizo.
    Vou buscar o livro para adicionar na minha meta.

    Adoro personagens que amadurecem a olho nu durante a leitura. Trazendo reflexões e uma jornada que no mínimo nos ensina algo.

    Nazismo foi algo brutal e sempre acabo voltando a leituras que remetem essa época.

    Beijos e obrigada pela dica.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  2. Olá! Eu tinha ouvido falar desse livro, recentemente, e fiquei bem curiosa sobre ele. Adorei conhecê-lo através da sua resenha, tive mais certeza de que irei gostar. Adoro quando a ficção se mistura com a história!
    Dica super anotada!
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Oi.
    Parece ser uma obra bem interessante, ainda mais que o autor fez uma pesquisa extensa e bem feita no que se refere aos acontecimentos históricos, e, apesar de ser uma ficção, é baseado em um relato real.
    Parece ser um livro que devemos estar com estômago para ler. Porque, querendo ou não, Hitler acreditava no que estava fazendo e que fazia o bem, então, acompanhar algo tão próximo do ponto de vista dele deve ser tenso. E deve ser tenso também acompanhar a protagonista querendo fazer alguma coisa, mas cheia de limitações.
    Adorei a resenha e pretendo ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?
    Eu ainda não conhecia essa obra e confesso que nunca tinha ouvido falar sobre essas mulheres que provavam a comida do Hittler.
    Apesar de gostar de obras ambientadas na Segunda Guerra, esse não despertou minha curiosidade. Não sei nem explicar o motivo, mas o enredo me deixou com a sensação de que faltava algo para despertar minha curiosidade.
    De qualquer forma, adorei sua resenha e fico feliz que tenha gostado da leitura.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem?

    Eu vejo muitas pessoas comentarem sobre esse livro. Não é o tipo de história que leria, mas fiquei com vontade de ler. Anotarei a dica e espero em breve poder ler.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Nossa adorei!!! Já tinha ouvido muito sobre esse livro e acabei esquecendo de adicionar na lista de leitura. Mas sua resenha, que por sinal tá maravilhosa, me fez perguntar o porquê de Ainda não ter lido, já que o tipo de leitura é exatamente o que gosto! Quando ler, volto aqui pra conversarmos mais.

    ResponderExcluir
  7. Conheço livro mas não vi ainda. Gosto quando os autores misturam ficção com realidade, sempre fico me perguntando onde um começa ee outro termina.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  8. Olá, estava mesmo curiosa para saber mais sobre esse livro, ótima a sua resenha. Super tenso o emprego da protagonista.

    ResponderExcluir
  9. Oi Beatriz.

    Que história! Eu adorei sua resenha, ainda mais quando mencionou que é uma obra de ficção inspirada em uma história real. Isso aumentou meu interesse pelo livro. Obrigada pela dica literária e parabéns pela resenha.

    Bjos
    http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Caramba, a história de Magda é punk, ter que provar a comida desse lixo histórico que infelizmente tem seu legado bem vivo. "ele não é uma biografia, tampouco pode ser tido como uma obra histórica" não seria um romance hibrido? A julgar que você diz que se baseia nos relato de Margot, portanto, é a opção que me veio a mente sem ler a obra.

    ResponderExcluir
  11. Achei o enredo interessantíssimo, já vi ele na Amazon, mas não cheguei a checar a sinopse, mas sua resenha me deixou animada pra conseguir ler logo. Eu não fazia ideia de que na época Hitler possuía provadores de alimentos, faz até sentido né?
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  12. Li o livro. Aliás, devorei! Tipo de leitura q prende o leitor do início até o final. Misturando ficção e realidade o livro aborda as atrocidades do nazismo permeado pela força e determinação da protagonista. Recomendadíssimo!!

    ResponderExcluir