[Resenha] Uma Dor Tão Doce

8 de junho de 2020

Título: Uma Dor Tão Doce
Autor: David Nicholls
Editora: Intrínseca
Páginas: 384
Ano: 2019
Adicione ao Skoob 
*Cortesia da editora
Sinopse: É 1997 e Charles Lewis passa os dias quentes das férias andando de bicicleta pela cidade. Às vezes ele também lê. Não há nada mais para fazer quando se está afastado dos amigos, a família está caindo aos pedaços e não se tem ideia de qual será o próximo passo. Mas os dias tediosos e vazios de Charlie estão prestes a ter fim.
Ao se deparar com uma companhia de teatro ensaiando Romeu e Julieta, sua primeira reação é fugir, mas ele talvez tenha encontrado um bom motivo para ficar: Julieta. No caso, a atriz que vai interpretar a personagem. Fran Fisher, uma garota bonita, confiante e metida a artista.
Mas quem nos conta essa história, repleta de idas e vindas no tempo, não é o garoto Charles. É o adulto, que, às vésperas de seu casamento, rememora — com uma mistura sutil de humor e melancolia — um verão intenso, que moldou o homem que é hoje.
Em semanas que marcarão sua vida, rodeado por textos do século XVI, figurinos, novas amizades e uma miscelânea de sentimentos inéditos, Charles desviará de conversas sobre o futuro enquanto tentará não ser devorado pela confusão de sua dinâmica familiar. E, ao lado de Fran, vai encontrar uma chance de se redescobrir e reinventar.
Resenha
Charles está para se casar e esse vento mexe com ele, mas não é só isso, ele recebeu um convite um tanto quanto inesperado que o fez se lembrar da adolescência. Aquele foi um período muito difícil de sua vida, seu mundo estava um caos, ele não era nem um pouco confiante e enfrentava uma crise na família, mas também foi quando teve o seu primeiro amor, um amor do qual ele jamais esqueceria e agora pode ter a oportunidade de reencontrar a jovem que roubou o seu coração. 

Quando mais novo, o pai de Charles faliu e as consequências dessa queda brusca afetaram a família para sempre, eles nunca mais seriam os mesmos. Charles e sua irmã seriam separados contra as suas vontades. A mãe não aguentou mais a situação dentro de casa e saiu para morar com outro homem, e como seu novo marido já tinha uma filha ela não poderia levar o Charles, então levou apenas a irmã dele, obrigando-o a ficar sozinho com o pai que enfrentava uma depressão.
Na escola Charles também não passava por momentos agradáveis, era um lugar onde ele não se sentia bem, não era confiante, não conseguia se encaixar direito ali. Charles não gostava de ir para casa, não gostava de ir para a escola. Ele ficava andando meio que sem rumo, só querendo adiar o inevitável momento de voltar para casa. Ele levava um livro para acompanhá-lo em suas tardes, andava de bicicleta e escolhia um lugar para ficar. 

Em um desses dias algo inusitado aconteceu e isso marcaria a sua vida eternamente. Ele se deparou com um grupo de atores de teatro e ficou curioso, eles também se interessaram por ele e logo as suas tardes sem rumo tinham um destino certo, as reuniões com o pessoal do teatro. Mas não era apenas o jeito espalhafatoso e irreverente dos atores que o atraia. Não mesmo. O que o interessava mesmo era a Fran Fisher, a atriz que faria o papel de Julieta na peça que estavam ensaiando, Romeu e Julieta. 
Fran era uma jovem que lhe deixava instigado, ele queria estar perto dela, queria falar com ela e não demorou muito para se descobrir apaixonado por aquela linda atriz. E é por causa de Fran que ele aceita participar dos ensaios também, como as coisas em casa estavam ruins e na escola não era muito diferente ele viu a oportunidade perfeita para ter um escape de sua própria vida. 

As semanas seguintes foram intensas, cheias de aventuras e de amor, aquele verão foi único. Mesmo em meio a todo o caos no qual ele estava, Charles encontrou o amor e a esperança de que tanto precisava para passar por aqueles dias difíceis. Agora, mais de vinte anos depois, Charles está para se casar e tem a oportunidade de reencontrar a Fran. Ele ama a sua noiva, mas não pode negar que a Fran teve um papel importante e em sua vida. Ele comparecerá ao encontro ou vai seguir adiante como se não tivesse visto o convite? Só lendo para descobrir o que ele vai fazer e como isso vai refletir no seu presente e futuro.
Minha impressão
Uma Dor Tão Doce é uma obra cheia de referências literárias, principalmente em relação a Shakespeare, e a escrita do autor é muito fluída, ele nos envolve com suas palavras e seus personagens são cativantes. A narração tem duas linhas do tempo, o passado de Charles (durante a sua adolescência) e o seu presente (às vésperas do casamento).  É Charles que nos conta a sua história, ele nos mostra como foi difícil passar pela adolescência enquanto os pais se divorciavam.

O pai dele faliu e a mãe foi morar com outra família, levando a irmã de Charles e deixando-o com o pai que enfrentava uma depressão. Charles não conseguia se sentir bem em lugar nenhum, na escola não se encaixava e nem era confiante o bastante para manter amigos e ele não queria voltar para casa, então andava de bicicleta por aí sem rumo, parava em algum lugar e lia algum livro. Em uma dessas andanças ele conheceu uma companhia de teatro e nela estava aquela que seria o seu primeiro grande amor, Fran Fisher. 

Os ensaios com o pessoal do teatro lhe ofereciam o escape do qual ele precisava e ainda lhe davam a oportunidade de ficar perto de Fran. Ele se apaixonou perdidamente por ela e faria de tudo para viver esse amor. Mais de vinte anos depois Charles relembra o ano de 1997 e entre os preparativos para o casamento ele recebe o convite para uma reunião com o pessoal da equipe daquele ano. Esse convite mexe demais com ele, Fran foi um amor intenso, arrebatador, mas ele é completamente apaixonado pela sua noiva e fica dividido se vai à reunião ou não. 

Uma Dor Tão Doce fala sobre família, amizade, amor. É um livro que mostra como podemos mudar com o passar dos anos e nos faz relembrar da nossa adolescência também. Charles está mais maduro, mas volta àqueles dias de quando ainda era tão inexperiente e que precisava ser forte, ele nos conta como as coisas aconteceram em sua vida e reflete sobre algumas questões.  

Minha nota para o  livro

11 comentários:

  1. Uau, ta ai um livro diferente e que não foge da realidade. Muitos filhos sofrem com esse tipo de decisão dos pais, e é difícil se quer ouvir falar disso hoje em dia, gostei desse drama todo.
    Jardim de Palavras

    ResponderExcluir
  2. Oi Beatriz.

    Eu não conhecia este livro e conhecendo um pouco da história através da sua opinião achei ele interessante, especialmente a obra ter referências em relação a Shakespeare. Vou adicionar na lista de desejados com certeza quero acompanhar a história. Obrigada pela dica.

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Olá!

    Gostei bastante da sua resenha!
    A forma que Charles encontra na arte um refúgio é muito bonito. Aquela coisa sobre a arte salvar vidas. Fiquei curiosa para saber como ele vai seguir com essa indecisão sobre rever um amor do passado, mas acredito que se ele seguiu a vida dele, talvez a moça também tenha feito o mesmo e que no final ambos apenas relembrem de um amor mais inocente, talvez. Nem li o livro e já estou aqui tentando adivinhar. Hahaha
    Parece uma ótima leitura!

    ResponderExcluir
  4. Oie Beatriz!!

    Eu vi esse livro em alguns lugares na internet, mas, foi a primeira vez que li uma opinião sobre ele, eu achei a premissa do livro bem interessante! Esse sem dúvidas seria o tipo de livro que eu leria, de certa forma ele até me lembrou um pouco o ultimo livro da Taylor Jenkins Ried que eu li e adorei!! Vou por ele em minha wishlist

    Beijos!
    Eita Já Li

    ResponderExcluir
  5. Oiii Bia

    eu acho a capa desse livro um charme, deve ser essa cor que adoro demais. Eu geralmente gosto de tramas que intercalam passado e futuro, pra mim a trama fica mais ágil e se a escrita do autor é fluida melhor ainda. Apesar disso, não sei porque esse livro não me chama a atenção, de momento não é uma leitura que faria, mas quem sabe um dia.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  6. Depressão é uma doença triste e nenhum filho deveria ver seus pais passando por isso, eu vivo essa situação com minha mãe há alguns anos, é de cortar o coração saber que não posso fazer nada para ajudá-la a melhorar e sair desse inferno. Os filhos sofrem com os pais depressivos, com a separação e com a vida escolar, tudo isso ao mesmo tempo deve ser uma tragédia no pisicologico de alguém tão jovem, espero que o livro aborde as conseguencias disso na vida do Charles adulto.
    Amei sua resenha e já comprei o livro para ler!

    Viviane Almeida
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem? Interessantes essas referências literárias, principalmente com Shakespeare, o que me chama mais atenção junto da temática principal. Não era um livro que estava no meu radar de leituras, mas depois da sua resenha fiquei interessada. Dica anotada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia esse livro, mas confesso que a premissa não me atraiu muito. O que me deixou mais curiosa e disposta a dar uma chance foi o fato de ter referências literárias, principalmente ao Shakespeare, que eu amo. Além disso, parece que ele passa uma boa mensagem, o que me deixa mais curiosa.
    Adorei ler sua resenha e vou considerar ler esse livro futuramente.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Eu estou com esse livro aqui, recebi ele pelo clube intrínsecos, e não consegui passar da página 20 e estou um pouco frustrada, porque eu amo o autor. Espero poder ler em breve

    ResponderExcluir
  10. Oii!!

    Eu não conhecia esse livro, mas esse autor sempre trata de assuntos delicados né?
    Eu gosto muito de livros que possuem essas linhas diferentes pq acho que dá um andamento bacana na leitura.
    Gostei da resenha!!

    Beijinhos,
    Ani
    www.entrechocolatesemusicas.com.br

    ResponderExcluir