[Resenha] Britt-Marie Esteve Aqui

13 de dezembro de 2019

Título: Britt-Marie Esteve Aqui
Autor: Fredrik Backman
Editora: Fábrica 231
Páginas: 304
Ano: 2019
Adicione ao Skoob
*Cortesia da editora
Sinopse: Aos 63 anos, Britt-Marie vê sua vida virar de ponta-cabeça quando precisa abandonar sua rotina (e seu casamento) para se reconstruir em um vilarejo que transformará seu destino para sempre. Recheada de personagens emblemáticos, a trama nos leva a refletir sobre solidão, concessão, frustração e superação, temas que, apesar de cinzentos, ganham cores através da leveza de suas páginas. Com um humor sarcástico carinhosamente dosado para nos cativar, Britt-Marie esteve aqui tem tudo para se tornar um dos livros favoritos de todas as estantes.
Resenha
“Britt-Marie não sabe ao certo quando seu casamento escapuliu de suas mãos. Quando se tornou arranhado, por mais porta-copos que ela usasse. Antes ele costumava segurar a mão dela quando eles dormiam e ela sonhava os sonhos dele. Não que Britt-Marienão tivesse sonhos só dela; era só que os dele eram maiores, e quem tinha os sonhos maiores sempre vencia no mundo.”
Durante toda a sua vida, Britt-Marie esteve preocupada com os outros, sempre pondo as necessidades de todos em primeiro lugar, nunca as dela. Quando era ainda muito jovem, sua irmã morreu e ela jamais se sentiu boa o suficiente, nem para os pais nem para ninguém. Era preciso estar o tempo todo mostrando eficiência, então ela limpava e arrumava e cuidava e estava preparada para atender a qualquer pedido.

Britt-Marie (não Britt, só quem a chamava assim era a sua irmã) foi criada para ser uma excelente mãe, esposa e dona de casa. Não foi criada para estudar ou trabalhar, nem para ter opiniões. A mulher deveria fazer aquilo que o marido mandasse que fizesse e pronto. Para Britt-Marie isso nunca foi problema, ela gostava de se sentir útil. Até que tudo mudou. Ela descobriu que o marido a traía e largou tudo. Foi atrás da própria vida.
Britt-Marie tem mais de sessenta anos e não podia se dar ao luxo de ficar chorando as mágoas sem antes encontrar um emprego, precisava de dinheiro para se manter. Seu marido é um homem rico, dono de empresa, mas ela não quer mais nada dele e agora tem que correr atrás de trabalho. Ela vai à agência de emprego e a atendente – com certa dificuldade – diz que não há vagas com o perfil de Britt-Marie. Pobre jovem, mal sabia ela o quão insistente aquela senhora poderia ser.

Britt-Marie simplesmente não aceita a falta de vagas, volta a cada dia, liga o tempo todo, não desiste até que a mulher da agência lhe dê um emprego! Ela teria que se mudar e o salário nem era lá essas coisas, mas para Britt-Marie era o suficiente, ela ganharia algum dinheiro, teria onde morar e seria útil novamente. Mas, acima de tudo, se ela morresse de repente, alguém daria falta.
Britt-Marie tem medo de morrer e não ser encontrada, ficar apodrecendo sem que alguém note. Quando se muda para a pequena cidade de Borg ela sabe que se morrer alguém vai perceber e para ela isso basta. Borg é uma cidade muito pequena que foi atingida pela crise financeira e com pouco comércio. Britt-Marie foi contratada para cuidar do centro recreativo que estava jogado às moscas. Após alguns dias, Britt-Marie já está familiarizada com a localidade e as pessoas acostumadas ao jeito dela. Todos se entenderam.  E então Britt-Marie recebe um pedido inesperado, ser a técnica do time de futebol. Ela não entende nada de futebol, mas as crianças precisam de um adulto e ela aceita.

Quando se mudou para Borg, Britt-Marie não sabia como as coisas iriam mudar para ela, estava apenas fugindo de um passado e tentando viver o presente sem pensar em como seria o seu futuro, mas aquela cidade mexeu com ela, assim como ela mexeu com a cidade. Britt-Marie deixou uma marca em Borg para sempre e Borg deixou marcas nela. É nessa cidade que Britt-Marie aprende valiosas lições, aprende que os tempos mudaram e que ela consegue se adaptar a eles. E é em Borg que ela aprende o valor de verdadeiras amizades, por mais improváveis que possam parecer.
Minha impressão
Britt-Marie Esteve Aqui é uma leitura comovente e que tem muito a nos ensinar. Após terminar a leitura eu fiquei um bom tempo refletindo sobre as mensagens que o autor nos passa através da sua obra, Britt-Marie é uma senhora que está redescobrindo a vida, com mais de sessenta anos as coisas podem até ser difíceis para ela, mas não impossíveis. Essa é uma de suas características mais marcantes, ela não desiste.

Britt-Marie é a própria definição de organização, com uma lista para tudo, ela procura sempre seguir o planejamento. Quando se muda para Borg ela percebe que nem sempre uma lista pode ser a solução para os seus problemas e que uma gaveta de talheres desarrumada não é o fim do mundo (embora diga muito sobre quem a arruma). Britt-Marie passou anos de sua vida se dedicando exclusivamente ao marido e aos filhos dele, ela se anulou completamente para que seu marido pudesse alcançar os seus sonhos enquanto ela cuidava da casa e dos filhos dele. Britt-Marie era feliz assim, foi criada para fazer exatamente isso e não via problema algum. Até que descobriu uma traição e deu um basta. Largou a casa e foi em busca de viver seus sonhos. Sua vida.

Mudar dá medo. Fazer algo novo nos deixa apreensivos, temerosos. A incerteza do que pode acontecer nos assusta. Mas Britt-Marie não deixa que seus medos a atrapalhem, ela faz. É uma mulher corajosa, audaciosa, talvez um pouco incompreendida, mas tem um coração enorme. Quem a vê pela primeira vez pode pensar que é uma velha rabugenta que não gosta de nada novo, mas não é bem assim, ao conhecê-la melhor todos percebem o quanto ela gosta de ajudar o próximo e tudo o que ela quer é ser útil.

Britt-Marie Esteve Aqui foi um livro que me deixou emocionada em muitos momentos, me divertiu em outros e deixou mensagens que não vou esquecer. É uma leitura que recomendo!

Minha nota para o livro

7 comentários:

  1. Olá que dica de leitura incrível adorei saber sobre a obra, me parece o tipo de livro que gosto de ler, vou procurar mais a respeito dele e tentar adquirir!

    ResponderExcluir
  2. Oi Beatriz!!
    Menina eu nunca nem ouvi falar desse livro e só dele a sua resenha já deu um quentinho no coração, acho tão importantes livros de superação, ainda mais um em que a protagonista é uma idosa, quantos livros a gente encontra com protagonistas nas terceira idade?? Que bom que gostou do livro, se teu tiver oportunidade eu vou ler!!

    Beijos!
    Eita Já Li

    ResponderExcluir
  3. Caramba, parece uma leitura bem forte. E eu adorei que a Britt tem mais de 60, é tão difícil achar livros que tem personagens assim mais velhos como protagonista. Fiquei muito curiosa com essa jornada Tardia da personagem.

    ResponderExcluir
  4. Olá,
    Eu já li um livro do Fredrik e realmente ele tem o dom de deixar tudo emocionante (no caso li Um Homem Chamado Ove, recomendo). E desde que amei a escrita dele eu quero ler tudo dele hahahaha. Gostei de conhecer a história desse, é a primeira resenha dessa história que leio, e super quero!

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  5. Oiii tudo Bem ?

    Não conhecia o livro é fiquei com curiosidade esse é aquele livro que deixa nosso coração quentinho. Fiquei querendo saber como a protagonista se saiu nessa nova jornada de descoberta esse livro parece um livro que eu vá gostar.

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Olá Bea!
    Gente que livro é este? Fiquei aqui de boca aberta com a coragem desta senhora e já quero muito conhecê-la mais de perto! Acho que vou curtir demais ter um tempinho com ela! srsr

    Mudanças são importantes e saber aproveitá-las mais ainda! Grata pela dica!
    Um abraço!

    ResponderExcluir