8 de novembro de 2016

[Resenha] O Que Não Existe Mais

Título: O Que Não existe Mais
Autor: Krishna Monteiro
Editora: Tordesilhas
Páginas: 112
Ano: 2015
Skoob: Adicione
*Cortesia Oasys Cultural


Sinopse: O que não existe mais é um relato sobre memória e desajuste, solidão e renascimento. Neste livro de contos, Krishna Monteiro explora esses temas sob vários ângulos. O de um filho perseguido nos corredores de sua casa pela lembrança viva o pai; o de um pacto celebrado pelo escritor João Guimarães Rosa numa encruzilhada; o de um galo de briga que, ao combater na arena, recorda toda a sua existência; o de um gato, narrando os últimos momentos de sua dona, sem compreendê-los; o de um velho soldado que tenta sem sucesso exorcizar a guerra; o de uma mulher que diante da degradação e do envelhecimento vê no ato de contar histórias a fonte mesma de criação e manutenção da vida.
Um livro com contos de diversos temas e em cada um deles podemos perceber a linguagem poética e profunda. O conto que dá título ao livro, O Que Não Existe Mais, é o primeiro e aborda um tema que pode ser inquietante ou curioso para alguns, mas também pode ser fascinante para outros, depende da opinião de cada um. Um filho foge da lembrança de seu pai, que o persegue pela casa.
"Não me agradava a família inteira reunida no círculo em torno de tua presença, o cortejo em que nós, crianças, nos espremíamos até o terreiro, onde tu, pressionando todo o peso dos joelhos sobre a garganta do animal, cortava centímetro a centímetro por entre a lã branca, vertendo o jorro de sangue na vasilha que todos nós dividiríamos, boca a boca, ombro a ombro, mão a mão."
Os demais contos também abordam temas fortes mas de maneira bem diferente desse primeiro. Podemos encontrar textos mais reflexivos ou mais sentimentais e em dois contos quem narra são dois animais, um galo e um gato. Nesses, nós temos um olhar completamente diferente para determinadas situações, relatos que não imaginaríamos se vistos por nós mesmos.
"Conceição arrancava as penas, lançando-as ao ar. A luz as atravessava antes que elas pousassem; ele reconhece sua cor, sua textura, procura a palavra exata para nomeá-las e de repente diz para dentro de si: Madrepérola."
"Minhas unhas saltam, escapo deslizando pelo assoalho e, antes dela respirar mais uma vez, estou sobre a escrivaninha, oculto entre os livros, o tinteiro, os papéis, farejando à distância sua angústia."
Na obra, também encontramos situação que podem ser bem conhecidas para alguns leitores, ou a maioria, que são as brigas familiares entre parentes que se amam mas que estão sempre discutindo. O que não falta em todos os contos é simbologia, o autor faz um bom uso dela mas pode ser que em alguns momentos fique um pouco confuso para quem não estiver atento ao que estiver lendo.
Minha impressão
Antes de iniciar a leitura, eu fazia uma ideia totalmente diferente do que eu encontraria pela frente,  talvez por estar com uma certa expectativa, a leitura não tenha sido tão agradável quanto eu achei que seria. 

Como eu mencionei lá em cima, o primeiro conto pode trazer inquietude para alguns, eu estranhei bastante e me incomodei com o relato. Quando terminei o primeiro, eu deixei o livro parado por alguns dias, não sabia se os próximos seguiriam a mesma linha ou se mudariam, em parte eles possuem algumas características em comum mas nada que tenha me proporcionado aquela estranheza inicial, não! O que eu enxerguei de semelhança foi a intensidade com que o autor expõe os sentimentos e a linguagem, que é uma algo bem marcante. 

Todos os contos permitem um momento de reflexão ao seu final. Apesar do livro ter poucas páginas, não é uma leitura rápida, pelo menos não foi para mim, mas essa questão depende do ritmo de cada um. 

E para finalizar, eu quero deixar bem claro que mesmo que a minha experiência com a obra não tenha sido muito boa, tiveram alguns momentos que eu pude aproveitar e que encontrei bonitas mensagens. 

Minha nota para o livro

10 comentários:

  1. Adorei a resenha, eu não conhecia o livro, mas essa capa mais ''clean'' me chamou bastante a atenção, a premissa do livro também! Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Achei a ideia do livro bem bacana, mas não sei se me arriscaria. Não é muito meu gênero literário. E eu prefiro histórias contínuas. Achei a capa linda! Muito legal quando o livro nos permite refletir sobre algo, mas refletir demais vira ressaca literária e disso eu estou fugindo hahaha

    beijos, Isa
    http://isaloucaporlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Sou apaixonada por contos, acho que num modo geral eles são profundos. A Oasys Cultural sempre indica uns livros assim pra gente ler né?
    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  4. Olá! Olha adoro um livro de contos e este já me chamou a atenção pela capa. Linda e muito curiosa! =) Gostei muito da dica e já coloquei aqui na lista para ler. Concordo com você sobre as experiências com os livros às vezes algo que não foi bom pra ti pode ser pra mim ou pra outro.
    Adorei sua resenha. Gostei de conhecer a obra!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Oi Beatriz, tudo bem?
    Eu vou ser bem sincera, gostei muito da capa, mas a sinopse não me agradou, mesmo sendo de contos, não senti aquela vontade de pegar o livro para ler.
    Li sua resenha e tive certeza que minha sensação ao ler a sinopse estava certa.
    Eu gosto de contos, e mesmo vc dizendo que são reflexivos, tem intensidade, realmente não me interessaram.
    Mas, concordo plenamente com vc sobre a experiência de cada um, outras pessoas podem gostar obviamente.
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Olá, Beatriz. Adorei sua sinceridade na resenha. Adoro livros de contos, mas esse em particular não me chamou a atenção e nem me deixou com vontade de lê-lo.
    Dessa vez eu passo a dica!

    ResponderExcluir
  7. Oi Bea,
    O primeiro conto parece ser realmente uma prova de fogo, teria receio de continuar também, mas seria preciso. Que bom que vai mudando o tema no decorrer das páginas.
    Fiquei curiosa com os contos do galo e gato, achei interessante a perspectiva por eles.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
  8. Nunca tinha ouvido falar nada sobre o livro,mas ele não me chamou tanta atenção, tanto pelos temas do contos não estarem tão explicitos tanto pelas suas impressões,eu estou ultimamente lendo livros que estão sendo leituras bastante demoradas para mim, quero fugir disso no momento

    ResponderExcluir
  9. Oie.
    Tudo bom?
    Não sou muito fã de contos, tinha até ficado interessada, mas fiquei com o pé atrás lendo suas impressões.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. amei essas fotos, não gosto muito de contos mas amei seu post

    ResponderExcluir