1 de fevereiro de 2017

Traduzir-se (Ferreira Gullar)


Traduzir-se
Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir-se uma parte
na outra parte
- que é uma questão
de vida ou morte -
será arte?
(Ferreira Gullar)

8 comentários:

  1. Oi, Beatriz!
    Essa poesia é linda! Quando adolescente, tinha cadernos onde anotava as poesias que mais gostava. Lembro que essa estava em um deles.

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Que poesia linda *-* isso me lembrou de quando era pequena e eu mesma escrevia algumas. Não eram perfeitas como essa, mas era uma boa lembrança. Amei!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Que delicia! Amo quando encontro poesias assim!

    Há algum tempo também escrevia poesias! Tudo que li me deu uma saudade enorme de escrever!

    "Uma parte de mim
    é permanente:
    outra parte
    se sabe de repente."

    Continue assim! Amei tuas palavras!

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem? Que poema fofo e reflexivo. Lembro da minha época de recitação. Gostei demais!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. nossa, achei minha cara!! principalmente o verso: "Uma parte de mim pesa, pondera. outra parte delira." me descreveu! sou ao mesmo tempo pé no chão e mente nas nuvens. adorei ❤️

    ResponderExcluir
  6. Gosto muito desta poesia, pois me identifico com as controversas existentes no ser humano.
    bJs

    ResponderExcluir
  7. Que linda poesia. Costumava escrever mas perdi o hábito e a "manha" hahahah.

    ResponderExcluir
  8. Adoro poesia, sinto falta pois quando estou fora das aulas da faculdade não costumo trabalhar muito com ela, mas sempre me arrependo.

    ResponderExcluir